EnglishPortugueseSpanish
Fone: (11) 3059-2090 comercial@abioptica.com.br Av. Dr. Chucri Zaidan, 296 ,23º andar, São Paulo - SP, Brasil - 04583-110
1658094455095 Min

Quais as principais despesas na importação de mercadorias?

Na semana passada, falei sobre os tributos incidentes na importação de mercadoria e como eles são calculados. Se você perdeu a matéria, dê uma olhada lá no meu perfil do Linkedin, onde você vai encontrá-la na íntegra.

Conforme combinado, nesta semana vou falar um pouco das outras despesas em um processo de importação.

Vou explicar as principais aqui, mas dependendo do produto ou do perfil logístico do seu processo, podemos ter mais algumas. É importante montar um projeto logístico para definir a melhor alternativa em termos de custos e prazos.

  • Frete internacional:

Você pode ou não ter esta despesa, pois isso vai depender da negociação de compra que você acordar com o fornecedor.

Nos casos de importação, na condição em que o importador tem que buscar a carga na fábrica do fornecedor, todo o custo desde a coleta da mercadoria até a chegada no destino (incluindo o frete internacional) deve ser assumido pelo comprador.

Em outra condição, em que o importador pode comprar as mercadorias já entregues no país de destino, a contratação dos serviços de entrega da carga no porto ou aeroporto, e mais os custos de transporte (incluindo o frete internacional) correrão por conta do vendedor.

Aqui cabe um alerta importante: quando você delega ao fornecedor a responsabilidade de contratação do frete internacional, na maioria dos casos o valor do frete é menor, mas as despesas são muito maiores quando a carga chega ao destino. Considerando que você não tem poder sobre esta contratação (afinal quem contratou o frete foi o fornecedor na origem), o agente no destino o cobra o quanto ele quiser de despesas locais. Isso vale para despesas de liberação de documentos ou de movimentação de carga. E em alguns casos, estas despesas no destino, dependendo das características do seu processo, podem lhe causar um custo adicional de até R$10.000,00 no processo.

Portanto fique muito atento a isso. Antes de fechar qualquer compra internacional, consulte um especialista para ajudá-lo a montar estes custos, e sempre analise o custo total do projeto.

Sempre que você, importador, for negociar o frete internacional por aqui, coloque no pacote da negociação, o conjunto de despesas no destino, pois desta forma você tem como reduzir significativamente os custos totais da importação.

Valores e formas de cálculo:

  1. Os fretes internacionais são sempre cobrados em moeda estrangeira, convertidos em moeda nacional no dia do pagamento.
  2. Nos casos de embarques aéreos, os fretes são calculados pelo peso bruto ou volume de carga e devem corresponder no máximo a 6000CBM de espaço, ou seja, a relação peso x cubagem deve ser de 1kg = 6000m3.
  3. Nos casos marítimos, os fretes são calculados sobre a maior medida entre peso bruto e metragem. E no caso de contratação de container fechado, o valor é fixo por container.
  4. Em ambos os modais temos também algumas despesas adicionais que são cobradas conforme o tipo de pagamento do frete, o modal e o tipo de carga. Portanto fique atento também às taxas adicionais cobradas. Alguns exemplos são:
  • Taxa de combustível
  • Adicional por carga perecível
  • Adicional por carga perigosa
  • Taxa de registro de documentos
  • Taxa de liberação de conhecimento
  • Taxa de manuseio de carga
  • Seguro Internacional:

Este é um custo que muitos importadores não consideram por sempre acharem que não vai acontecer nada com a carga. Essa é uma mentalidade bem nossa de brasileiro, haja visto o reflexo de vendas de seguro residenciais e de veículos no Brasil que, quando comparado com outros países, ainda é muito pequeno.

Você pode achar que as probabilidades são pequenas, mas acontecem com muito mais frequência do que imaginamos. Ocorrem muitos danos com as mercadorias ocasionadas pelo uso de uma embalagem incompatível ou mesmo por um mal acondicionamento da carga no container.

Dependendo das características do seu processo, este custo pode ser muito pequeno, frente aos benefícios que o seguro o proporciona. O seguro é um dos recursos que utilizamos para mitigar riscos no processo.

Na importação temos também a possibilidade de incluir na cobertura, além do valor das mercadorias, o frete internacional, os impostos, as despesas e os lucros esperados.

A corretora fará uma análise da mercadoria, o modal utilizado e o grau de risco da operação analisando a logística de porta a porta e definirá um percentual a título de seguro.

É importante analisar na proposta se as especificações logísticas do seu processo estão contempladas na apólice; quer seja na forma de cobertura básica, quer seja na específica, fique atento também às restrições impostas no Gerenciamento de Riscos e alerte seus parceiros caso haja algo que esteja vinculado aos serviços deles.

Exemplos:

  • Cobertura para guerra e greve
  • Encalhe da embarcação
  • Danos na descarga do navio
  • Avaria Grossa
  • Impostos, despesas e lucros esperados
  • Transporte Rodoviário
  • Armazenagem:

O valor de armazenagem depende de onde a carga está, e a base de cálculo destes serviços é o valor das mercadorias, acrescido pelo frete internacional e pelo seguro internacional.

Nos casos aéreos, a tabela de cobrança de armazenagem e capatazias dos aeroportos é pública e pode ser acessada por qualquer pessoa e normalmente ela é disponibilizada no site da operadora do aeroporto.

Nos casos do marítimo, a tabela é definida pelo próprio terminal. Portanto, vale as ressalvas que fiz lá no item de frete internacional.

No caso de carga em container, o importador tem o poder de destinar o container para o terminal em que ele fechar um acordo comercial. Já nos casos de carga consolidada, onde seu lote está junto com o lote de outras empresas acondicionados no mesmo container, você não tem o poder de escolha do terminal. Nesse caso, o container será transferido e desovado no terminal em que o agente consolidador contratou para este serviço e é por isso que sempre sugerimos você negociar o frete junto com a armazenagem nestes casos.

Tanto no caso de embarque em container quanto no de carga consolidada, caso você não negocie antecipadamente os valores de armazenagem, os números podem variar drasticamente. Já vi casos em que chegam a cobrar 150% de diferença. Portanto, fique atento a este item.

O valor da armazenagem é calculado, inicialmente, a partir de um determinado percentual sobre o valor aduaneiro. A este valor são adicionados valores referentes a vários outros serviços executados pelo terminal, a saber:

  • Remoção do container do costado do navio até o terminal
  • Manuseio de carga na entrada no terminal
  • Manuseio da carga na saída do terminal
  • Movimentação interna
  • Inspeção não invasiva
  • Cadastro de BL
  • Presença de Carga
  • Posicionamento para conferência solicitado pela fiscalização
  • Desova do container
  • Entrega do container vazio para o armador
  • Transporte rodoviário nacional:

Após a nacionalização das mercadorias, chegou a hora de retirá-las do terminal alfandegado e entregá-las no seu armazém ou em qualquer outro lugar que você definir.

A carga já nacionalizada é de sua propriedade e, portanto, você pode usá-la como melhor lhe convier ou mesmo revendê-la, se este for o destino que você definiu na elaboração do projeto.

Já vi algumas empresas não considerarem este custo no projeto e que, dependendo da logística que você definir, ele pode ter um valor significativo no seu projeto, sendo, por isso, importante mapeá-lo.

Os valores de transporte rodoviário levam em consideração as características da carga, a mercadoria e a rota.

O cálculo é composto de:

  • Frete peso
  • Frete valor (seguro veículo + seguro da carga)
  • Adicional de peso ou volume
  • Adicional de estadia
  • Taxa de emissão do conhecimento
  • Ajudantes

É importante alertar aqui quanto a escolha da transportadora. Para entrar nas áreas aduaneiras, a transportadora precisa estar credenciada, assim como seus funcionários precisam conhecer os trâmites de carregamento, quais os documentos os terminais solicitam e como funciona o processo de agendamento de coletas.

Caso ocorram falhas nestes trâmites, o processo pode demorar. E se você tiver prazo para carregar, estas perdas de prazo podem duplicar os custos de armazenagem. Fique atento.

  • Despesas do Agente de Cargas Internacional:

Além do frete internacional, o agente de cargas no destino irá cobrar também pelos seus serviços. Estes custos independem de o frete internacional ser contratado no Brasil ou na origem.

Se contratados no Brasil pelo importador, há, como comentamos, a possibilidade de você negociar estes valores dentro do pacote de serviços.

As taxas normalmente cobradas pelos agentes são:

  • Desconsolidação
  • Liberação de Conhecimento
  • Serviço de courier
  • Handling
  • Serviço do despachante aduaneiro:

Este é um profissional fundamental para o sucesso do seu projeto de importação. É ele que irá elaborar a Declaração de Importação e acompanhará todo o processo de nacionalização junto a alfândega brasileira.

Como comentei em outras matérias, ele deverá ser nomeado por procuração, e representará sua empresa não só perante a Receita Federal, mas também junto a outros órgãos intervenientes no processo, como o Ministério da Agricultura, a ANVISA, o INMETRO etc.

Caso você tenha o conhecimento do processo de desembaraço aduaneiro, sugiro que elabore uma instrução de despacho aduaneiro para orientar e informar ao seu despachante todos os detalhes do projeto. Caso não tenha este conhecimento, sugiro que você tenha uma pessoa experiente ao seu lado ou busque por um despachante aduaneiro que tenha experiência no manuseio de processos com perfis semelhantes ao do seu.

Vou deixar aqui alguns detalhes importantes que devem constar na instrução de desembaraço para que seu despachante possa se orientar:

  • Detalhes do conhecimento de embarque, previsão de chegada da carga e quem é o agente no destino envolvido para que ele contate para liberação dos documentos.
  • Detalhes da mercadoria, NCM dos produtos e descrição detalhada dos produtos contendo composição, uso e finalidade.
  • Características quanto a embalagem das mercadorias, internas e externas. Se possível, adicionar foto do produto e da carga.
  • Regimes Aduaneiro Especial: caso o processo tenha algum benefício fiscal ou tributário
  • Acordos Comerciais: se houver algum acordo comercial vinculado nesta operação,
  • Tributos estaduais: quando há redução de base de cálculo ou de alíquota diferenciada.
  • Detalhes do fornecedor, do importador e do fabricante se estes não forem as mesmas empresas.
  • Finalidade da importação.
  • Detalhes cambiais: enviar os contratos de câmbio
  • Seguro internacional: enviar a apólice de seguro internacional
  • Vias originais de todos os documentos que amparam o processo.
  • Orientações quanto ao débito dos impostos.
  • Parceiros envolvidos (transportadora, terminal, corretora etc.)

Custos envolvidos:

  • Normalmente eles cobram um valor fixo por processo de importação
  • Pode ter cobrança de taxa adicional caso seja um processo que tenha necessidade de licença de importação
  • SDA – Sindicato dos Despachantes Aduaneiros: repasse da taxa cobrada pelo sindicato
  • Repasse de custos de correios, motoqueiros ou taxas bancárias

Bem, com todas estas dicas e mais as formas de cálculo dos impostos descritas na matéria da semana passada, você consegue montar o seu custo de importação.

Um ponto importante a se considerar sobre estas despesas, é que os valores podem aumentar consideravelmente caso tenha ocorrido algum imprevisto no processo. Por exemplo, os documentos podem estar em desacordo com as mercadorias e você não se atentou a estes detalhes da aprovação deles antes de embarcar a carga na origem. Todas as informações são registradas nos sistemas do governo assim que a carga embarca na origem e quaisquer alterações posteriores podem incorrer em multas e, dependendo do prazo, podem inclusive bloquear o processo, o impedindo de iniciar o processo de nacionalização, até que a correção seja concretizada no sistema.

Portanto, fique atento ao gerenciamento de riscos, que deve ser feito durante a coordenação do processo, para que nada saia dos eixos que o impliquem em demoras e custos adicionais.

Então, o que achou do conteúdo? Espero que tenha ajudado. Se você conhece alguém que tenha planos para importar, eu o incentivo a compartilhar este artigo com esta pessoa pois com certeza o conteúdo irá ajudar bastante.

Marcia Hashimoto

WhatsApp: (11) 99940-0945

 

Fonte: www.linkedin.com

Buscar