EnglishPortugueseSpanish
Fone: (11) 3059-2090 comercial@abioptica.com.br Av. Dr. Chucri Zaidan, 296 ,23º andar, São Paulo - SP, Brasil - 04583-110
1633523319825

Planejando sua primeira importação

Esta semana entregamos mais alguns projetos de importação.

O projeto contempla uma série de informações que compõem a importação. São abordadas desde as características do produto, passando pelo perfil do fornecedor internacional e concluindo com custos e prazos do projeto.

Esta apresentação visa atender o perfil dos nossos clientes que não tem nenhum conhecimento sobre como funciona um processo de importação.

No projeto detalhamos todas as fases do processo, demonstrando o fluxo de pagamentos e o custo total da importação até a mercadoria entregue no armazém do importador.

Enfim, considerando os atuais patamares dos preços do frete internacional e a taxa do dólar, o custo da importação acaba ficando bem elevado.

E se você trabalha com produtos importados e seus concorrentes também trazem os mesmos produtos do exterior, provavelmente as despesas de importação estarão altas tanto para você quanto para os seus concorrentes. Neste caso é importante acompanhar o mercado e ver um momento melhor de fechar o pedido e de embarcar.

Alguns clientes chegaram a falar de desistir da importação, no entanto, temos que levar em consideração, que os valores relacionados ao frete não vão ficar eternamente nestes patamares e, portanto, acompanhar as informações sobre os fretes e taxa do dólar é extremamente importante.

Seguem abaixo os itens que compõem o custo total de importação de mercadorias.

  • Valor das mercadorias:

O valor das mercadorias sem dúvida é o principal dos valores a negociar. Um aspecto muito importante a ser considerado é o relacionamento entre o preço dos produtos e a condição de pagamento e condição de entrega.

Ou seja, para que você possa analisar corretamente o preço ofertado, é preciso saber as condições de entrega, ou seja, onde o fornecedor vai disponibilizar as mercadorias. Por exemplo, ele pode deixar a carga no porto de origem, no porto de destino ou até mesmo no estabelecimento do comprador. Esta informação é importante para compormos o custo da importação.

Outra informação importante é a condição de pagamento. Normalmente em uma primeira compra, o fornecedor deverá solicitar pagamento antecipado, que pode ser 30% na colocação do pedido e os restantes 70% quando a mercadoria estiver pronta para embarque, ou seja, os 30% são exigidos para que eles iniciem a produção e o pagamento dos 70% são impeditivos para a disponibilização da carga para embarque.

  • Taxa do dólar:

Sem dúvida é um dos fatores que mais influenciam e que infelizmente estão fora do nosso alcance. Veja abaixo a variação nos últimos meses.

Em uma importação de USD 50.000,00 por exemplo, tivemos a seguinte variação no valor convertido em reais em 1 mês:

03.09.2021 = USD 50.000,00 x 5,1685 = R$ 258.425,00

30.09.2021 = USD 50.000,00 x 5,4394 = R$ 271.970,00

Resultando na majoração do valor em reais no montante de R$ 13.545,00.

Consequentemente, este aumento no valor em reais se reflete num incremento dos impostos devidos na importação que, por sua vez, devem ser adicionados ao custo da importação, calculado em 03/09 e em 30/09.

  • Frete internacional:

Desde o início da pandemia até hoje ocorreram vários episódios na logística internacional que impactaram negativamente nos valores de frete. Serviços de frete que eram cobrados USD 3.000,00 antes da pandemia, chegam a ser cobrados atualmente USD 12.000,00, ou seja, um aumento de 300%. Inacreditável, mas infelizmente é fato.

Primeiro foi o acidente no Canal de Suez. Quem diria que um fato ocorrido do outro lado do nosso país fosse causar tanto transtorno? Pois é, mais de 400 embarcações paradas durante quase 10 dias, ocasionando um acúmulo enorme de cargas a serem embarcadas na China para todo o mundo e um aumento na falta de containers disponíveis.

Na sequência, uma série de consecutivos fechamentos de portos da China por vários dias, ocasionados pela pandemia. À medida que o governo chinês foi identificando casos de COVID-19 nos portos eles interditavam o local na tentativa de conter o avanço da pandemia.

Isso resultou nas cargas acumulando na China para embarcar, os containers evaporando e, como consequência, frete subindo semanalmente.

Ah… e ainda tem os transportes aéreos. Vamos analisar um pouco o modal aéreo, no qual muitas cargas são embarcadas em voos mistos, ou seja, voos compartilhados de passageiros e de cargas, em que aeronaves têm seus porões utilizados para transporte de mercadorias.

Com a pandemia, muitos voos de passageiros foram cancelados. Conclusão: menos opções de aeronaves para transporte e por consequência, valores dos fretes aumentando semanalmente.

Uma alternativa seria transferir as cargas do aéreo para o marítimo, mas lembre-se que este já está com um volume muito alto de cargas precisando ser escoadas. Portanto, já dá para imaginar o caos.

Um outro fator importante é que o valor de frete internacional entra na base de cálculo dos impostos, ou seja, os custos de importação aumentam exponencialmente.

  • Seguro Internacional:

Muitos acabam não incluindo este item nos custos, por acharem que é um custo que não compense contratar, já que eles sempre acham que nunca vai acontecer nada durante o trajeto.

No entanto eles desconhecem os riscos que a carga corre durante o trajeto internacional. Problemas podem ocorrer durante o manuseio no transporte até o porto ou aeroporto, durante o próprio trajeto internacional, ou mesmo no transporte do porto ou aeroporto para o seu armazém, sem contar o risco de um acidente, roubo, extravio etc.

E por mais que não pareça, estas ocorrências acontecem com muita frequência.

  • Impostos:

Aí corre a maior parte dos custos de importação. As alíquotas dos impostos dependem do tipo de mercadoria.

Cada mercadoria tem um código que segue a NCM – Nomenclatura Brasileira do Mercosul – e com base nele conseguimos consultar as alíquotas dos impostos e os procedimentos para importação.

Os procedimentos variam bastante de produto para produto, sendo que alguns deles têm que conseguir a anuência de órgãos controladores. Mas este é um assunto para abordarmos em um outro artigo.

Enfim, abaixo a relação dos impostos:

– II: Imposto de Importação

– IPI: Imposto sobre Produtos Industrializados

– PIS: Programa de Integração Social

– COFINS: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social

– ICMS: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços

– AFRMM: Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante

– IOF: Imposto sobre Operações Financeiras.

Dependendo do caso, o valor dos impostos pode igualar ao valor das mercadorias.

  • Armazenagem:

O valor de armazenagem depende de onde a carga está e a base de cálculo destes serviços é o valor das mercadorias, mais o frete internacional e o seguro internacional.

Sendo assim, como você pode ver, o alto valor de frete reflete aqui nos valores que você vai pagar de armazenagem.

Sugerimos que os valores de armazenagem, assim como todos os outros custos da importação, sejam negociados previamente ao embarque das mercadorias da origem. Caso contrário, você poderá se surpreender com valores altíssimos.

  • Outras Despesas:

Ainda temos outras despesas, como a de entrega das mercadorias no seu armazém, as despesas documentais de registro nos sistemas do Governo e os demais prestadores de serviço, do Despachante Aduaneiro e o Agente de Cargas.

Mas o ponto mais importante a se considerar sobre estas despesas, assim como de todas as mencionadas acima, é que os valores podem aumentar consideravelmente caso tenha ocorrido algum imprevisto no processo.

Por exemplo, os documentos podem estar em desacordo com as mercadorias e você não se atentou a estes detalhes da aprovação deles antes de embarcar a carga na origem. Todas as informações são registradas nos sistemas do governo (temos vários desses sistemas, sendo um para cada etapa do processo (depois escrevo um outro artigo só para falar deles). Ressalte-se que qualquer alteração efetuada após o registro pode incorrer em multas ou mesmo em atrasos no processo de nacionalização, que geram custos adicionais.

Bom, estes são os pontos principais de um projeto de importação, o que chamamos, aqui no escritório, de um estudo de viabilidade, pois trata-se de um primeiro processo do projeto. Então este processo acaba sendo muito mais rico nos detalhes.

De qualquer maneira, todo processo de importação precisa de um planejamento, que deve contemplar todos os itens acima. Mas tão importante quanto o planejamento, é a coordenação de todas as etapas do processo, como você pode ver em alguns exemplos que dei acima. O acompanhamento que fazemos aqui contempla inclusive a Gestão do Risco que deve ser feito do começo ao fim do processo.

Então, o que achou do conteúdo? Espero que tenha ajudado. Se você conhece alguém que tem planos para importar, te convido a compartilhar este artigo com esta pessoa pois com certeza o conteúdo irá ajudar bastante.

Fonte: Infolabor

Marcia Hashimoto

WhatsApp: (11) 99940-0945

Buscar